“Poucos homens terei conhecido que depositassem tanta fé na razão como instrumento para remover obstáculos. Ele confiava que sempre lograria o que buscava argumentando. Estava seguro de que os objetivos da política que lhe incumbia executar não conflitavam com os interesses da comunidade financeira internacional. As iniciativas irracionais que brotavam aqui e ali na cena política brasileira, ele as via como peripécias, e tendia a minimizar o seu significado. Impacientava-se quando alguém dava muita importância ao secundário, perdendo de vista o essencial."

Fonte: 
Celso Furtado, em A Fantasia Desfeita
São Paulo, Editora Paz e Terra, 2a edição p.163