“Guardo, porém, do convívio com San Tiago Dantas a recordação inextinguível de um político de méritos singulares. Distinguia-se de todos os demais pelo lastro de sua cultura cuidadosamente amealhada, por uma inteligência que espargia luminosidades desnorteantes, por um dom de servir, que fazia dele o estadista na mais ampla acepção do termo.

Se política é destino, esse grande brasileiro o enfrentou com a serenidade de um filósofo, a bravura de um combatente e a resignação das almas fortes e sofridas.(...)

Granjeou a sua merecida fortuna no trabalho honesto e diuturno, que lhe propiciava vultosas recompensas pecuniárias, em decorrência de uma infatigável e triunfante atividade profissional. A sua vocação incoercível era, porém, para a cátedra universitária. Ensinar, comunicar os conhecimentos que acumulava, esbanjar os tesouros do seu imenso talento constituía, para ele, uma imperiosa imposição de sua formação espiritual.(...)

Se a sua vida pública foi de curta duração, pela crueldade do destino que lhe encurtou a nobre e fecunda existência, ganhou em intensidade o que perdeu em extensão e foi tão árdua, profunda e abnegadamente vivida, que ficará nos nossos anais como um hiato de luz, trabalho, sensibilidade, imaginação e inteligência, como raras vezes se terá visto igual e jamais será superado. Ele foi o estadista por excelência. E se o que caracteriza o homem de estado é a visão de futuro, a capacidade de criá-lo, pelo dom divinatório de suas intuições e a força de suas convicções, poucos como San Tiago Dantas souberam sê-lo, no seu afã de tudo rever e modificar, destruir e edificar, rasgando com as inspirações do seu gênio, as perspectivas criadoras de novos rumos para a Nação, orientados pela força de sua incomparável personalidade.(...)

Intelectual, fazia da inteligência um instrumento de sua atividade criadora. Os posicionamentos esnobes, muito em voga entre os homens de espírito, não o atraiam e, muito menos, aquele ceticismo vago e distante em que se esterilizam alguns dos nossos melhores talentos. Era um homem de fé, de frio e calculado otimismo no homem brasileiro e crente ardoroso na materialização de suas potencialidades.”

Fonte:
San Tiago Dantas – Um Seminário na Universidade de Brasília
Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1985
Páginas: 71-79